Pessoas que trabalham em agências de publicidade, designer gráfico ou navegam bastante na internet já devem ter reparado a variedade de formatos em que se apresentam os arquivos de imagens.

Atualmente, na internet, nos deparamos com facilidade com imagens em JPG, GIF e PNG, que são as mais populares, porém existem outros formatos. Além disso, cada extensão possui características e especificações diferentes, que podem acabar gerando dúvidas sobre qual a melhor opção a ser utilizada.

Os formatos JPG, PNG e GIF podem ser criados em praticamente todos os programas gráficos, como Photoshop, Illustrator, Fireworks, entre outros.

Abaixo apresentaremos as principais características de cada um deles.

 

JPEG ou JPG

A extensão JPEG ou JPG (Joint Pictures Expert Group) é, sem dúvida, a mais popular. Criada em 1983, ela é gerada por nossas câmeras digitais e pode ser aberta em quase todos os programas para edição de imagens. Além disso, é o formato padrão para enviar fotografias para redes sociais.

Um arquivo em JPEG tem tamanho pequeno quando comparado a outros formatos, facilitando o seu armazenamento e a sua distribuição. Ele comprime os dados para ser muito menor, mas isso gera perda na qualidade da imagem.

As imagens JPG aceitam 16 milhões de cores e, em geral, são usadas para salvar imagens e fotografias.
O interessante no JPG, é que os arquivos podem ter diferentes níveis de compressão. Quanto mais existir compressão, ou seja, retirada de informação, menor será o tamanho do arquivo, porém pior será sua qualidade.

GIF

Outro formato muito comum na internet é o GIF (Graphics Interchange Format). Criado em 1987 pela empresa CompuServe, ele é um arquivo leve e famoso pelas fotografias com movimento.

É recomendado para quem precisa espalhar muita imagem na internet, por gerar arquivos de tamanho reduzido, e para quem não está preocupado em enviar imagens com pouca cor, já que o GIF só trabalha com esquema de 256 cores (8 bits), por isso não é muito comum em fotografias.

Apesar deste formato parecer limitado devido ao número baixo de cores com que trabalha, o GIF é muito utilizado por alguns recursos, principalmente, compõe a maioria dos memes que estão pela internet.

Seu uso é maior em ícones, ilustrações (principalmente em preto e branco) e pequenas animações. Além disso permite salvar arquivos com fundo transparente e compressão sem perda de qualidade.

 

              Reprodução: Wikipedia

PNG

O formato PNG (Portable Network Graphics) foi idealizado em 1996 como uma alternativa aos problemas com o formato GIF, que ao contrário do seu concorrente suporta mais cores. O PNG possui características como animação, fundo transparente e compressão sem perda de qualidade, mesmo com salvamentos constantes do arquivo.

O PNG suporta milhões de cores, não apenas 256 como o GIF, sendo assim, uma ótima opção para fotos. Uma característica a mais no PNG é a transparência por 24 imagens de bit RGB.

Sua pronúncia correta é “ping” ou “P-N-G” e utiliza o mesmo método de compressão que evita perda de dados. Existem dois tipos: PNG-8 e PNG-24. O primeiro é bem similar ao GIF, sendo até menores em tamanho que estes.

Também trabalha com 256 cores atreladas e 1-bit de transparência. Já o segundo, possui 24-bits de cores, similar ao JPEG, e pode incluir mais que 16 milhões de cores, no entanto, em tamanho de arquivo, supera os JPEGs. Ele ainda é menos utilizado do que TIF ou JPG, mas é outra boa opção para um trabalho de qualidade sem perdas.

 

Bitmap (BMP)

O formato Bitmap ou BMP (abreviado) é histórico, pois surgiu juntamente com o sistema operacional Windows.     As imagens BMP podem variar de preto e branco (1 bit por pixel) de até 24 bits de cores (16,7 milhões de cores).

Ele armazena fotos e gráficos em pequenos quadrados que chamamos de pixels. Quanto maior o número de pixels em uma só fotografia, maior a qualidade da imagem.

Isso resulta em arquivos de tamanhos grandes demais para compartilhar na internet e, por esta razão, surgem os formatos de compressão, capazes de diminuir o tamanho dos arquivos e facilitar o envio e o recebimento de dados.

Arquivos em Bitmap podem ter extensão .dib (Device Independent Bitmap) ou BMP e não permitem fundo transparente.

 

TIFF

O TIFF (Tagged Image File Format), criado em 1986 e adquirido pela Adobe, é um dos formatos mais utilizado por profissionais de imagens, designers gráficos, para edição e impressão.

Tem pouca ou nenhuma compressão e oferece alta qualidade de imagem e maior profundidade de cores, além disso não perde não perde nenhum detalhe. Por causa disso, os arquivos, no formato TIFF, são bastante grandes. Sendo assim, muito usado em digitalização (scanner e fax).

O TIFF é o mais versátil, exceto para as páginas web, pois alguns navegadores não mostram imagens TIFF. Também permite o uso de camadas (como nos arquivos PSD originais do Photoshop) que são versões diferenciadas da imagem existentes num mesmo arquivo. Pode aparecer com a extensão .tif ou .tiff e suporta fundo transparente.

 

E aí, você já conhecia todas essas funcionalidades? Conta para gente qual o seu formato preferido e qual mais utilizado.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>